RSS Feed

Vivendo em festa

Posted by Fausto Henrique

Aprendi na minha adolescência que festa é você
bem por dentro, ou seja, no seu interior.

Estar em paz com Deus, consigo mesmo, com o próximo,
esta é a festa que não precisa de coisas superficiais para ser vivida, e que não acaba na quarta-feira de cinzas.

A alegria verdadeira não precisa de máscaras, não precisa de bebida, não precisa de prostituição ou coisas semelhantes para sobreviver.

A alegria verdadeira existe, e não dura apenas 4 dias.
Infelizmente milhares de pessoas sem direção na vida, seguem ouvindo os tambores da tristeza disfarçados de alegria, e pulam, semeando o nada no solo de seus corações.

Como atores de um filme, vivem a falsa alegria de uma cena prestes a acabar, deixando apenas um vazio interior no final de tudo.

Existe um ponto final em tudo o que não é real, mas ao que é real a promessa do que o espetáculo da vida é profundo, belo, eterno.

Jesus Cristo disse: "Se alguém tem sede (sede de alegria verdadeira, de paz, de amor, de propósito...) Venha a Mim e beba". (João 7:37)

Os problemas dos outros também podem ser seus

Posted by Fausto Henrique Marcadores:

Um rato olhando pelo buraco na parede vê o fazendeiro e sua mulher abrindo um pacote. Pensou logo em que tipo de comida poderia ter ali. Ficou aterrorizado quando descobriu que era uma ratoeira. Foi para o pátio da fazenda advertindo a todos: “Tem uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa.”

A galinha, que estava cacarejando e ciscando, levantou a cabeça e disse:

– Desculpe-me sr. Rato, eu entendo que é um grande problema para o senhor, mas não me prejudica em nada, não me incomoda.

O rato repetiu a história ao porco.

– Desculpe-me sr. Rato, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser rezar. Fique tranqüilo que o senhor será lembrado nas minhas preces.

O rato dirigiu-se à vaca e repetiu a história.

– O que sr. Rato? Uma ratoeira? Por acaso estou em perigo? Acho que não!
Então o rato voltou para a casa, cabisbaixo e abatido, para encarar a ratoeira do fazendeiro. Naquela noite ouviu-se um barulho, como o de uma ratoeira pegando sua vítima. A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia.

No escuro, ela não viu que a ratoeira prendeu a cauda de uma cobra venenosa. A cobra picou a mulher. O fazendeiro levou-a imediatamente ao hospital. Ela voltou com febre. Todo mundo sabe que, para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja. O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal.

Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos vieram visitá-la. Para alimentá- los, o fazendeiro matou o porco. Como a mulher não melhorou, muitas pessoas vieram visitá-la. O fazendeiro então sacrificou a vaca para alimentar toda aquela gente.

Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se: quando há uma ratoeira na casa, toda a fazenda corre risco.

versão de musica.

Posted by Fausto Henrique Marcadores:

- Ei tu que Beber?
- Quero Não!

- Não quer Por quê?
- Preciso Não!

- Tu que fumar?
- Han Han!

- Não Quer Por quê?

- Quer se perder?

Vou Não, Quero Não, Posso Não, Meu Jesus, Não Deixa Não,
Quero Não, Posso Não.

Vou Não, Quero Não, Posso Não, Meu Jesus, Não Deixa Não,
Quero Não, Posso Não.

- Ei tu quer Jesus?
- Quero Sim!

- Vai buscar a Salvação?

Vou Sim, Quero Sim, Posso Sim, è o que Jesus tem pra mim,
Quero Sim, Posso Sim.

Vou Sim, Quero Sim, Posso Sim, è o que Jesus tem pra mim,
Quero Sim, Posso Sim.